Novidades

Servisa e Indeco vencem em Berlim e fazem a demolição do Quartel-General da Deutsche Post em tempo recorde

 11 Março 2021

No mês de dezembro, a Servisa concluiu com sucesso a demolição da sede central do Deutsche Post no centro de Berlim. A intervenção foi muito complexa pelos aspetos técnicos, mas também pelos logísticos, visto que se tratava de uma operação no centro estreito da capital alemã.O tempo atribuído para a demolição foi outro fator que tornou o trabalho particularmente difícil, porque pôs duramente à prova as capacidades organizativas da empresa. Na verdade, tratava-se de demolir um edifício de três andares, operando num espaço muito confinado e limitando o impacto na zona envolvente do canteiro de obras.

Do ponto de vista estrutural, o edifício era construído em betão de alta resistência (ou seja, com valores de resistência à compressão monoaxial superiores a 45 MPa) e de armaduras que, nas áreas de fundação e dos plintos, atingiram diâmetros de 50 e 80 milímetros.A intervenção foi concluída com sucesso graças ao emprego de equipamentos da Indeco que fizeram a diferença do ponto de vista da produtividade e, portanto, também ao nível do tempo. Além do martelo HP 5000, o mais produtivo do mercado hoje na sua categoria, foi utilizada no local uma multifunções IMP 25 Combi Cutter, muito eficaz e adaptável às diferentes situações de operação. Graças à intercambiabilidade das ferramentas, de acordo com a necessidade, o equipamento pode ser transformado em demolidor, triturador ou tesoura.

O triturador IRP 18 X, por outro lado, permitiu o recondicionamento volumétrico primário dos mais de 3000 metros cúbicos de resíduos produzidos durante a demolição. Este equipamento tem-se revelado particularmente eficaz, também graças à sua geometria que permite obter a menor variação de força possível entre o momento inicial (abertura máxima) e o momento final (abertura mínima), de modo a aumentar a estabilidade e a eficácia na ação de trituração reduzindo tempos de trabalho e as tensões transmitidas à escavadora. O IRP 18 X, além disso, tem garantido uma produtividade considerável também porque dispõe de um sistema hidráulico dotado de uma "válvula de regeneração" que permite um fecho mais rápido da garra móvel quando vazia, de forma a aplicar toda a força disponível somente durante a trituração do material.

A pinça multigrab IMG 2800 D também contribuiu de forma decisiva para a conclusão da obra, que, graças ao fácil manuseio e compatibilidade da sela com os outros produtos Indeco, garantiu a máxima precisão no manuseio dos diversos materiais.

Indeco é o parceiro ideal para Servisa
O Grupo Servisa é a maior empresa de demolições e serviços ambientais na região de Berlin-Brandenburg; apesar da sua dimensão, desde o seu nascimento em 1971, a Servisa permaneceu nas mãos da família do fundador e é uma das mais importantes realidades do setor na Alemanha. Conversamos com o Administrador-Delegado Sascha Hellwig, que conhecemos no centro da cidade num canteiro de obras onde estava a ser demolido um prédio de 8 andares.

Como nasceu a Servisa?
“Começamos como uma empresa de demolição, mas hoje também estamos presentes na terraplenagem e na deposição dos materiais em aterro. Também dispomos de uma licença que nos autoriza a realizar todas as atividades de reciclagem e também podemos fazê-lo por conta de terceiros. Nos últimos anos alargámos a nossa presença no setor logístico, oferecendo às construtoras todos os serviços necessários ao aprontamento do canteiro”.

Como acha que está a evoluir o vosso setor?
"Acredito que no nosso setor existe a possibilidade real de as empresas de demolição se tornarem subcontratadas das empresas que se ocupam de reciclagem. Isto pode ocorrer porque o problema da deposição do material de resíduos para despejar em aterros assume cada vez mais um valor estratégico. Por isso decidimos reforçar-nos em ambas as direções. Aqui, na área de Berlim, por exemplo, uma coisa é a deposição para despejar um camião de material de resíduos, outra é transportar 800 000 toneladas, como fizemos no ano passado. No futuro, provavelmente não se tratará apenas de camiões, mas talvez também comboios, barcaças fluviais e navios. No fundo, neste setor é preciso ser muito criativo e seguir a evolução e a interpretação das leis e regulamentos relativos aos materiais de resíduos e ao seu tratamento. Na verdade, frequentemente temos de lidar com estruturas das décadas de 1970 e 1980 que contêm materiais que precisam de ser tratados de forma específica, como por exemplo o amianto. Por todas estas razões, possuir uma escavadora com um martelo grande já não é suficiente para dizer que se é uma empresa de demolição, hoje o conceito é muito mais amplo. O importante é ter uma visão do futuro para poder acompanhar os tempos; por vezes penso que este aspeto não é suficientemente tido em conta por outras empresas que operam no setor".

Quantos veículos têm na vossa frota e porque se tornaram clientes da Indeco?
“No momento a nossa frota é composta por 23 escavadoras, 20 camiões e 100 entre outros tipos de máquinas e equipamentos. Quando decidimos comprar novos equipamentos de demolição vimos o que o mercado oferecia e descartamos o que não queríamos, assim, por exclusão, viemos experimentar a Indeco que ao invés nos convenceu. Entre outras coisas, os técnicos da Indeco e da Servisa já se conheciam e isso não é um aspeto secundário, porque para nós é muito importante garantir que os nossos colaboradores tenham uma boa relação com os fornecedores dos equipamentos. Além da qualidade intrínseca e da produtividade dos equipamentos, agradou-nos muito a abordagem completa da Indeco, ou seja, o conceito de multi-tool porque, justamente pelo que disse antes, somos cada vez mais obrigados a separar os materiais de resíduos no canteiro. Afinal, esse é um percurso obrigatório e é melhor fazer assim, pois quanto mais o material for separado antes de ser enviado para o aterro, mais agilizadas serão as operações subsequentes. Devo dizer que até agora a nossa experiência com a Indeco tem sido muito positiva sob todos os pontos de vista”.

Berlim atravessa um momento de forte expansão da atividade de construção, em quantas obras estão a trabalhar neste momento?
“No momento temos muitos canteiros de obras abertos. São todos edifícios de grandes dimensões de tipo residencial para escritórios e centros comerciais. A maioria deles está localizada no centro da cidade, como por exemplo na Alexander Platz, onde nos próximos anos surgirão seis arranha-céus. Precisamente nessa zona da cidade a nossa intervenção consiste na demolição e preparação do local para posterior construção, o que significa também a eliminação dos alicerces e a resolução de todos os aspetos logísticos. Outra importante área de desenvolvimento é na East Side Gallery, junto à antiga muralha, uma zona turística onde temos dois canteiros de obras. Precisamente para esta enorme exigência em Berlim, estamos a concentrar-nos na cidade, mas no passado trabalhamos em toda a Alemanha, dos Alpes da Baviera a todas as cidades mais importantes”.

Quantos são os funcionários?
"Temos cerca de 150 pessoas, mas antes da Covid estávamos prontos para aumentar o número total para 200. Felizmente, temos um bom sistema de relacionamento na área de Berlim, conseguimos recrutar mão de obra que vem da antiga Alemanha Oriental e do Sudeste da Europa que está mais disposta a realizar um trabalho exigente, mesmo do ponto de vista físico, típico de um canteiro de demolição. É mais difícil encontrar pessoal capaz de gerir as várias fases da obra, porque a concorrência para encontrar figuras técnicas qualificadas é muito forte entre as várias empresas do sector”.

Como providencia a formação de pessoal?
“Para além da vertente técnica, queremos que os nossos colaboradores façam parte do Grupo Servisa para todos os efeitos; necessitamos também de pessoal que seja capaz de tratar de diversos aspetos e, por isso, esteja disposto a desenvolver as suas competências profissionais. Apostamos muito nos jovens porque têm um alto nível de motivação e por isso é importante que, sem prejuízo dos objetivos traçados, estes jovens tenham uma certa autonomia, ou seja, que contribuam para o trabalho de forma ativa. formando uma organização menos rígida e mais eficaz na qual possam reconhecer e dar o seu melhor com uma contribuição concreta para o trabalho de todos. O nosso trabalho é árduo, o entusiasmo é um aspeto que deve estar sempre presente para melhorar a produtividade e conseguir criar um verdadeiro vínculo com a empresa ”.

Pensa que no quadro geral do desenvolvimento das vossas atividades, a colaboração com a Indeco pode continuar?
“Se quisermos evoluir no sentido que estava a dizer, precisamos eleger um ou dois parceiros, para as máquinas e equipamentos, que nos acompanhem do ponto de vista do produto e do serviço. A indústria está a mudar; entendemos que a Indeco se está a orientar nessa direção e estou convencido de que uma colaboração entre nós é, portanto, vencedora em todos os pontos de vista”.